Vitoriosa

Vitoriosa” começou a ser composta apenas a melodia, num vôo de Sampa para o Rio. Um começo de melodia começou a vir, peguei um papel qualquer, desenhei uma pauta e escrevi o pedaço que martelava na minha cabeça. Dia seguinte, na passagem de som de um show no Canecão, retomei o pedaço, me inspirei em Caetano, pus a imagem da minha esposa Valeria na minha frente e caetaneei o resto da melodia. Pedi ao Gabriel Neto, nosso engenheiro de som, para gravar a melodia que foi feita. No dia seguinte, em outra passagem de som, voltei a ficar cantando a melodia. Neste dia, meu filho Claudio estava comigo, chegou perto de mim e começou a cantar uma introdução, com aquela voz de menino de 12 anos (estávamos em 1984) e ficou muito bonito. Pedi novamente ao Gabriel para gravar tudo e me fazer uma fita k-7. Na outra semana mandei uma cópia da fita para o Vitor Martins, disse que tinha feito para a Valeria e ele escreveu aquela letra. Na gravação final da música, um ano depois, que foi feita em New York, com arranjo do Dave Grusin, foi mantida a introdução do Claudio, com a voz dele. Em 1986, foi incluída na novela Roque Santeiro e explodiu no país inteiro. E está aí a historinha.

E, aí curtiram de saber como ela foi feita?

Beijos,

Ivan